The Warm Coffee

O derradeiro guia de música e videojogos

Posts Tagged ‘dreamcast’

Soul Calibur (DC)

Posted by César Costa em 01/09/2009

https://i0.wp.com/upload.wikimedia.org/wikipedia/en/5/51/Soulcalibur.jpgGénero: Combate

Editora: Namco

Distribuidora: Namco

Plataforma: Dreamcast

Data de Lançamento: 1 de Dezembro de 1999

Neste espaço dedicado aos jogos mais velhinhos escolhi esta obra-prima para analisar. E posso dizer que é um trabalho fácil. Não quero dizer porquê porque scaso contrario ler esta review seria inútil.

Sendo breve, este título, ao contrário do que 80% dos jogadores pensam, não é o primeiro da série. Aliás, o primeiro jogo foi Soul Edge, chamado de Soul Blade na sua versão para a PlayStation, que foi lançado uns aninhos antes deste SC. Mas levem-no como apenas uma premonição daquilo que viria a ser Soul Calibur, uma das melhores, senão a melhor série de jogos de combate de sempre. Lembro-me de na altura em que o jogo foi lançado o pessoal estar todo ocupado com Tekken 3, e os fãs super-hiper-mega nostálgicos de Street Fighter a jogar SF2. E SC nunca fui muito popular aqui em Portugal, e ao jogar Soul Calibur senti que estava perante um jogo muito injustiçado, devido à supremacia da PSOne em território português, algo que se mantém ainda hoje. Logo que pus as minhas mãos em cima do jogo pensei “Qual Tekken? Qual SF? Isto sim é um bom jogo de luta!”…

Por muito que os fâs de Tekken, ou os fãs de demasiada nostalgia de Street Fighter queiram negar, em termos de pura pancadaria, nada bate Soul Calibur. Soul Calibur é mais rápido, mais virtuoso, mais espectacular, mais práctico, mais liberto, e sobretudo… tem armas!! Fixe, não é?

Vamos então aos parâmetros básico. Em termos de gráficos concordo quando dizem que este é o jogo com melhores gráficos para a sua época de que há memória. São simplesmente FANTÁSTICOS!! É normal que se fique espantado quando se está habituado a jogos de aspecto poligonal e quadradão (Tekken…) e de repente vêm um jogo com gráficos que fazem inveja ao que de melhor a PS2 já fez. Compare-se:

https://i1.wp.com/images.mmosite.com/answer/dict/upload/2009/07/04/5be65448a36675e8e8c592a10b6bb967.png

Soul Calibur 1 HD screenshot

É notável a beleza gráfica de Soul Calibur.

Em termos de jogabilidade, os controlos por exemplo respondem imediatamente, o sistema de luta é o melhor em qualquer jogo de combate ‘versus’ alguma vez feito, as personagens são equilibradas, os leque de golpes é bastante vasto, a liberdade de movimentos é total, enfim… É puro ouro.

Quanto ao som, este jogo também tem proporções épicas. Cada batalha é acompanhada por uma faixa orquestral majestosa, e apesar de as “baladas’ serem muito edenticas, é injusto deixar de notar num grande trabalho de composição. O som dos combates em si também é muito bom, e a dobragem japonesa das vozes dá outro charme ao jogo.

https://i2.wp.com/gamerscoup.com/Microsoft/Xbox360/screenshots/soulcalibur1.jpg

Virtualmente, o jogo é infinito. Podemos ganhar personagens adicionais no modo Arcade, obter extras e coleccionáveis no Mission Mode (que é um dos grandes apelativos do jogo, diga-se), melhorar em Practice, batermo-nos a nós próprios no modo Survival, jogar em Equipa no modo Team Battle, ver batalhas e vídeos demo de cada personagem, apreciar sketches e fotos CG das personagens no modo Museum, e claro, andar à porrada com amigos nosso no modo Versus. A diversão só acaba quando o jogador se encher. E isso, só muito depois acontece.

Quem jogar Soul Calibur, já não consegue voltar a pegar em jogos de luta perros como Tekken ou Virtua Fighter tão cedo, e o jogo é altamente viciante.

Aproveito para frisar que este é sem dúvida, mas sem qualquer dúvida o melhor jogo de combate de sempre. E a razão pela qual eu disse que analisar este jogo era tarefa facilitada, é pelo simples facto de este jogo não ter quaisquer erros. Este é dos poucos jogos que existem que considero perfeitos. Este jogo é uma autêntica obra-prima, inigualável até hoje. Soul Calibur destaca-se pela sua virtuosidade, pelo seu charme, e pelo ambiente antigo, misterioso e algo maléfico.

Qualquer pessoa que se considere apreciador de videojogos, tem de ter este jogo. É absolutamente obrigatório!

“A lenda nunca morrerá!”

5.0

Posted in Reviews Jogos | Com as etiquetas : , , , , , , | 3 Comments »

Virtua Striker 2 ver. 2000.1 (DC)

Posted by César Costa em 03/05/2009

virtuastriker2ver2000Género: Desporto

Editora: SEGA-AM2

Distribuidora: SEGA

Plataforma: Dreamcast

Data de Lançamento: ? de ? de  2000

Agora, uma análise a um dos meus jogos preferidos de sempre: Virtua Striker 2!

Quantos de nós já não gastámos uns trocos a jogar jogos de arcade num qualquer salão de jogos? Muito provavelmente um desses jogos era Virtua Striker, um jogo de futebol puramente exibicionista e espectacular, em 2000 levado até à Dreamcast. Sempre foi um dos jogos mais populares entre os “jogadores de salão”, pelo que seria um sonho para qualquer um deles ter o seu jogo de futebol em casa, para jogar quando quisesse.

No entanto, a experiência não é a mesma. Numa máquina, uma pessoa não presta atenção ao facto de nem sequer saber o nome dos jogadores que controla. Numa consola, presta. Numa máquina ninguém se importa se dá ou não para escolher a táctica e o onze inicial. Numa consola, toda a gente se importa. Numa máquina ninguém quer saber se o jogo tem erros de jogabilidade, uma pessoa está ali só para jogar um divertido jogo de futebol. Já numa consola, todos estamos atentos a isso. Aqui está o tendão de Aquiles desta conversão de VS2 para DC.

vstriker2A SEGA limitou-se a copiar o jogo das arcades para a consola, implantar um sistema de saves e lançar o jogo. Nem se deram ao trabalho de melhorar certos aspectos do jogo, como os controlos algo desajeitados, que levam uns instantezinhos a responder que não deveriam levar.

Nos gráficos o jogo não decepciona, pois os movimentos dos jogadores são bastante convincentes, e as texturas são também elas de nível razoável. Os modelos dos jogadores apesar de ainda um pouco poligonais, mostram o que já a Dreamcast era capaz de fazer.

O melhor e o pior do jogo está na jogabilidade. Tudo aquilo que o povo adorou na versão arcade está aqui. Mas infelizmente, aquilo a que o povo nem ligou muito na versão arcade, é impossível de ignorar na versão doméstica. Os grandes golaços, os pontapés acrobáticos, as entradas de carrinho imponentes, as defesas espalhafatosas, e a constante fluidez de jogo que consegue fazer inveja aos simuladores de futebol de hoje, fazem com que Virtua Striker 2 dê valentes horas de gozo. É simplesmente divertido e viciante! Por outro lado, os mais dados ao realismo terão alguma dificuldade em gostar deste jogo, já que não existem tácticas nem nada que se pareça. São literalmente 22 homens atrás de uma bola e tentando metê-la na baliza contrária: futebol puro e duro.

Apesar de os controlos favorecerem (e bem) a espectacularidade do “beautiful game”, eles também podem tornar o jogo um pouquinho frustrante, especialmente porque os controlos são por vezes preguiçosos na resposta. Já para não falar do facto de só poderem rematar para onde estiverem virados…

screenshot_2810_thumb300

Quanto ao som nada de especial a dizer. Os únicos sons que ouviremos serão as musicas dos menus e repetição (nada de brilhante aqui, diga-se) e o comentador que apenas intervém para anúnciar os jogos e gritar “GOOOOOOOOOOOOOOooooooooooooal!!”

Este é também um jogo que dura um bom tempinho. Temos a liga, a taça, o modo Arcade (duh?), e o modo Ranking para jogar, e algumas equipas para desbloquear neste último modo, incluindo Portugal!!! 🙂

Em suma, este jogo é mais para os fãs do futebol puro e duro, e senão ligarem aos erros do jogo, poderão desfruta-lo ao máximo, já que aposta tudo no futebol espectáculo, simples e divertido. VS2 no geral, não passa de um jogo mediano, mas consegue divertir, quer a solo, quer em partidas de 2 a 4 jogadores.

Classificação final:25

Posted in Reviews Jogos | Com as etiquetas : , , , , | 1 Comment »