The Warm Coffee

O derradeiro guia de música e videojogos

“Day Of Reckoning”, Destruction [2011]

Posted by César Costa em 01/03/2011

imageData de lançamento: 28 de Fevereiro de 2011

Género: Thrash Metal

Duração: 50 min.

Editora: Nuclear Blast

Produção: Destruction

Uma das mais queridas bandas da cena Thrash Metal regressa com um disco bem oldschool para satisfazer os fãs. Brutal e muitíssimo directo, “Day Of Reckoning” dá uma amostra daquilo que a banda alegadamente de créditos firmados é ainda capaz de fazer.

Não há que enganar: é puro e duro Metal e é fácil de perceber por que razão a banda considera este disco um regresso às origens. “Day Of Reckoning” está cheio de momentos e detalhes característicos da cena Metal e é impossível os mais ávidos fãs do género não gostarem disto. A força está aqui, a velocidade também, já que o disco nunca abranda, e o som limpo mas agressivo também não falta à receita.

O disco, tal como 80% da música Metal, usa o clássico tango entre bateria e guitarra, que são basicamente os dois instrumentos que guiam as faixas desde o início até ao fim do álbum. Mas o segredo do sucesso ou não de uma banda está na maneira como gerem essas duas armas e os Destruction fazem-no com uma perna às costas, como veteranos que são. Dá para perceber que são uma banda madura, e embora os fãs não tivessem dúvidas disso, deduzo eu, novos ouvintes da música dos Destruction ficarão com essa ideia.

A inicial “The Price” é um começo em grande para o disco, fazendo prever uma aventura a 1000 à hora. E se pensarem isso no início estarão 100% correctos. O álbum é sempre a abrir, 11 malhas vindas do quinto dos Infernos nos esperam. Se por um lado podemos ignorar as letras que, como já é habitué do Metal mais agressivo, não dizem grande coisa, a música em si, por outro lado, é do melhor. Toda a gente conhece a fórmula e nem por isso ela se gasta. A banda vai atirando uns ritmos bem contagiantes (como se de Dance Rock estivéssemos a falar), conjuga-os com a guitarra, afina tudo e volta e meia cospe um solo de guitarra meio psicadélico. Não há nada progressivo nem prepotente, é simples Metal ‘straightfoward’, o que para aqueles mais sedentos de barulho pode significar momentos de deleite.

Na segunda metade do álbum começam a vir temas mais variados, mas mesmo assim bastante idênticos em som. Variados no ritmo, nas suas variações e pequenos twists… “Church Of Disgust” fica no ouvido e “Destroyer Or Creator” é alguma coisa, mas o disco no seu todo funciona bem. É assim que deve de ser, até mesmo no Metal. Se conseguirem ouvir para lá da aparente repetição entre faixas terão um belo álbum. A nota que recebe poderá ter sido tangente, e foi, mas é daqueles álbum que vos recompensam se se atirarem da cabeça a eles. Façam-no.

  1. "The Price"
  2. "Hate Is My Fuel"
  3. "Armageddonizer"
  4. "Devil’s Advocate"
  5. "Day Of Reckoning"
  6. "Sorcerer Of Black Magic"
  7. "Misfit"
  8. "The Demon Is God"
  9. "Church Of Disgust"
  10. "Destroyer Or Creator"
  11. "Sheep Of The Regime"

Download

image

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: