The Warm Coffee

O derradeiro guia de música e videojogos

Phantasy Star Online

Posted by César Costa em 09/10/2010

https://i2.wp.com/www.emuparadise.org/DC-PAL-Covers/Phantasy%20Star%20Online%20PAL%20DC-front.jpgGénero: MMORPG

Editora : Sonic Team

Distribuidora: SEGA

Plataformas: Dreamcast, PC, Gamecube, Xbox

Data de Lançamento: 23 de Fevereiro de 2001

Sendo um dos primeiros RPGs online, este título é um clássico. As experiências multiplayer online estavam a começar agora, e dizer que Phantasy Star Online contribuiu para o sucesso que o online faz hoje em dia não é erro nenhum.

Comecemos por falar da consola. A Dreamcast é uma das melhores, senão a melhor consola da história dos videojogos, mas indiscutível é o facto de ter sido a mais inovadora. Com jogos como este não admira que tenha deixado saudades depois da sua partida precoce. O online foi uma grande parte do sucesso e do legado que a Dreamcast
deixou. A satisfação e a excitação de poder jogar com pessoas de todo o mundo e partilhar experiências de jogo era simplesmente delirante naquela altura, e se existem jogos como World Of Warcraft hoje em dia é graças ao sucesso que PSO fez em 2001.

A jogabilidade é adaptada ao online, consistindo em batalhas em tempo real. O objectivo do jogo é descobrirmos o que se passa em Ragol, um planeta recém descoberto, depois de uma equipa de investigação enviada para o local, a Pioneer 1, ter deixado de dar sinais de vida. O enredo não é assim tão interessante quanto isso, mas é apelativo o suficiente para nos levar a fazer as quests de história. Sim, porque existem muitas mais. E ainda mais na versão Blue Burst, de PC. Além disso, o sistema de classes é muito bom, e cada classe é única, tendo os seus pros e contras. Claro que existem umas mais difíceis de dominar que outras: por exemplo um Ranger ou um Human são aconselháveis quer a novatos quer a peritos. Já a classe Fomar, por exemplo, é reservada aos jogadores mais avançados, já que no início se começa com pouco HP, o que pode dificultar a vida aos menos habituados no jogo.

http://www.emuparadise.org/fup/up/95437-Phantasy_Star_Online_(PAL)-2.jpghttps://i1.wp.com/img255.imageshack.us/img255/5749/22756398sg6.jpg

Os são mapas variados, vivos e bem renderizados. Os gráficos são fascinantes para a altura em que o jogo foi lançado originalmente, e mostram aquilo que a Dreamcast era capaz de fazer já em tenra idade (ainda que acabaria por ser descontinuada um tempo depois), sendo ainda hoje agradáveis à vista. Os cenários são bastante ricos e estão especialmente bons no Episode II, e os modelos de personagens, classes, e inimigos estão também muito bem desenhados. Em termos de som tudo está perfeito. A banda sonora consiste basicamente em temas electrónica/ambient que encaixam muito bem nos mapas e ficam na cabeça.

Na versão PC o esquema de controlos pode parecer caótico a princípio, mas cedo nos habituamos a ele. Já na versão Dreamcast o jogo assenta na consola que nem uma luva. Os controlos respondem no imediato, e a distribuição deles está muito bem feita. Aconselha-se um teclado para facilitar a comunicação, que facilmente se liga à consola como um comando normal, mas que infelizmente é raro hoje em dia de encontrar, e só mesmo em lojas de 2ª mão ou online é que se encontra. Podemos facilmente comunicar e fazer amigos neste PSO, sendo que a interacção é um elemento chave para o sucesso nas sessões em grupo. As guild cards foram uma excelente ideia, permitindo-nos permanecer em contacto com qualquer jogador que se tenha conhecido no jogo. Basta trocarmos guild cards e de ora avante estaremos em contacto com outra pessoa. Isto ajuda imenso a encontrarmos alguém para nos acompanhar numa sessão de jogo.

A evolução no jogo é inicialmente rápida, mas à medida que vamos avançando vai sendo cada vez mais difícil evoluir, e seremos obrigados a procurar as quests mais duras para podermos subir níveis. Jogar com outros peritos também ajuda, já que são eles que à partida conhecem as áreas mais proveitosas do jogo. Outra coisa que também ajuda à evolução é jogar num nível de dificuldade superior ao normal, ainda que essa opção apenas esteja disponível a partir do nível 20. As técnicas que se pode aprender no jogo são variadas, e incluem tarefas de ataque e defesa. Muitas vezes daremos por nós a interagir com outros jogadores onde todos se ajudam uns aos outros de maneira instintiva. Seja a curar um companheiro ou a aumentar as stats temporariamente. Não existem checkpoints a não ser nas mudanças de área, e os Telepipes, itens presentes no jogo, são uma grande ajuda para quem morre e tenta voltar ao sítio onde os companheiros se encontram. Basta que para isso um deles abra um Telepipe, e quem morrer pode, a partir da base, ser tele-transportado para o sítio onde o portal foi criado. É uma situação que acontece inúmeras vezes, principalmente quando já ninguém tem Moon Atomizers (itens que ressuscitam os jogadores), e aí, a inter-ajuda volta a ser fundamental.

https://i1.wp.com/cantodobardo.com/wp-content/uploads/2010/09/Phantasy_Star_Online_Episode_I_and_II682462300.jpgE por falar em itens, é muito fácil partilharmos armas e itens com outros jogadores. Existe um banco onde podemos depositar itens e meseta (dinheiro) para se mais tarde precisarmos ou para darmos a alguém que precise mais que nós. As armas à venda nas shops são bastante inúteis, mas são os itens que nos vão obrigar a voltar constantemente às a elas para reabastecer o stock. O inventário é bastante limitado pelo que uma inteligente gestão de recursos é necessária para sobreviver.

Outra característica do jogo digna de menção são as MAGs. As MAGs são pequenos dispositivos  que sobrevoam o nosso corpo para onde quer que vamos e que essencialmente fazem parte nós. São como animais de estimação que temos de constantemente alimentar com itens, já que estas geringonças nos ajudam a evoluir e a aumentar as nossas stats. Elas próprias podem evoluir, com os itens que lhes damos, e consequentemente, beneficiamos disso. Dispõem de várias ataques especiais que vão desbloqueando à medida que vão evoluindo e que podemos usar nas horas de maior aperto ou contra grande bosses.

Ao longo do tempo foram saindo inúmeras versões de Phantasy Star Online. Primeiro saiu uma versão patch do jogo original, chamado Phantasy Star Pnline Ver.2. Depois disso, saiu um port para PC, e o Episode II de seguida. Até 2005 foram sendo lançados Episode III C.A.R.D. Revolution, a versão Blue Burst, que contêm tudo menos o Episode III (que é um jogo radicalmente diferente) e o Episode IV, que viria a ser incluído na versão Blue Burst através de um patch. A mais completa é sem dúvida a Blue Burst, para o PC, e é a versão recomendável hoje em dia já que é a mais apoiada pela comunidade.

Phantasy Star Online é jogo para durar. Entre quests solitárias e grandes jogatanas a 4 este jogo tem muito para oferecer. Quer offline, quer online, PSO é um jogo completo, que mesmo tendo as suas alturas mais mortas e monótonas, não deixa de ser um dos grandes jogos da geração que passou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

 
%d bloggers like this: